O presidente da Assembleia legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), demorou — mas, finalmente, começou a descontar, dos salários dos deputados, as faltas às sessões. E aproveitou para tirar o atraso. O presidente abateu, este mês, todas as ausências acumuladas de fevereiro a maio.
Descansados — já que este ano, os descontos não vinham — os nobres levaram um susto ao abrir os contracheques ontem.
A chiadeira foi grande e choveu pedido de justificativa (retroativa) na Mesa Diretora. Nos corredores, as pragas eram rogadas a Paulo Melo (PMDB), o ex-presidente, que inventou a história.
O campeão de faltas
Pela quantidade de ausências, o maior rombo foi na conta de Marcos Abrahão (PT do B), com nove faltas nos quatro meses
Erro de sistema
Os nobres vão receber um pequeno estorno no mês que vem. A casa pesou a mão e descontou R$ 877,41 por cada dia de falta, quando deveria ter descontado R$ 844,07.