O aterro sanitário de Itaóca, no bairro de mesmo nome, em São Gonçalo, encerrou suas atividades em fevereiro de 2012. O que parecia ser uma esperança para os moradores locais com indenizações e fim do mau cheiro e da presença de ratos, parece estar se tornando um pesadelo, três anos depois do fechamento do lixão. 

Tudo porque dezenas de caminhões circulam pela área todos os dias despejando clandestinamente uma grande quantidade de lixo, principalmente à noite. O deputado estadual Doutor Sadinoel (PT) encabeçou a luta da população e instaurou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), para investigar a permanência dos lixões no Estado. 

Em reunião realizada ontem, representantes políticos de São Gonçalo discutiram medidas a serem implantadas para que o crime ambiental cometido em Itaóca seja interrompido.
Segundo Dr. Sadinoel, foram convidados o secretário municipal de Saúde, Dimas de Paiva Gadelha, o diretor de Saneamento Ambiental de São Gonçalo, Gláucio Teixeira Brandão, o secretário de Infraestrutura do município, Francisco Rangel, a procuradora do município, Rafaely da Silva Guimarães e representantes do Instituto Estadual do Ambiente e do Ministério Público.

“Essa reunião tratou da compensação ambiental dos entes envolvidos, prefeitura e empresa. Nós vamos verificar se está havendo despejo de lixo. O lixão paralisou, mas no entorno continua havendo lançamento de lixo. O que chegou para nós é que estão criando um novo lixão. Sabemos que no local funciona um estado paralelo e são eles que fomentam esse tipo de trabalho envolvendo resíduos sólidos. A população denuncia despejo de lixo por diversos caminhões principalmente no horário da noite”, disse Sadinoel.

Por A tribuna RJ