A Câmara dos Vereadores de São Gonçalo começou, na manhã desta quinta-feira (05/11), a fazer sua mudança para o antigo prédio do Fórum no bairro do Zé Garoto. Alguns setores administrativos e a Coordenadoria de Defesa do Consumidor (Codecon) foram os primeiros.

A Câmara dos Vereadores de São Gonçalo começou, na manhã desta quinta-feira (05/11), a fazer sua mudança para o antigo prédio do Fórum no bairro do Zé Garoto. Alguns setores administrativos e a Coordenadoria de Defesa do Consumidor (Codecon) foram os primeiros setores a ocupar o prédio, que está recebendo obras de reforma e adequação para receber toda a estrutura do Poder legislativo até janeiro. 

O prédio conta com três andares, rampas de acessibilidade, elevador, saídas de emergências e a expectativa é de que com as obras de reforma abrigue cerca de 50 salas, entre elas o Plenário. A ideia é que ele também conte com salas destinadas à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), associação de moradores e uma galeria de arte. Para o presidente da Câmara Municipal, Diney Marins, em dois meses os 27 vereadores e assessores, assim como toda a estrutura, estarão de ‘casa nova’. 

— Nossa intenção é promover, junto com as associações de moradores, movimentos culturais e outros segmentos organizados da cidade, uma série de ações, como palestras, debates, exposições e audiências públicas no novo local — garantiu o presidente da Câmara Municipal.  Diney Marins informou ainda que a Câmara irá economizar cerca de R$ 80 mil mensalmente com aluguéis de gabinetes e da loja onde funcionava a Codecon. “Essa despesa ocorre porque os gabinetes dos vereadores funcionam em salas alugadas em função do atual espaço limitado”, finalizou. 

Os vereadores conseguiram no final do ano passada o prédio do antigo Fórum de São Gonçalo, no bairro do Zé Garoto. “O governador, além de nos doar o prédio, também ficou de nos ajudar nas obras de reestruturação, mas devido a crise financeira que o país atravessa isto não foi possível. Estamos então usando uma verba de cerca de R$ 1,1 milhão que temos no Fundo de Reserva. Todo o processo de Cooperação Técnica para fazer a obra foi discutido com o Ministério Público e a Procuradoria Geral da Câmara”, explicou Diney Marins.

Fonte/texto: Câmara de São Gonçalo
Foto: Jornal O São Gonçalo