Brizola Neto | foto via Veja
Mais um nome na briga pela Prefeitura de São Gonçalo. Trata-se do ex-deputado federal e ex-ministro do Trabalho Brizola Neto. Ele transferiu o seu domicílio eleitoral para o município em 24 de setembro do ano passado e alugou um apartamento em um condomínio em Alcântara. 

Porém, não conta com o aval da presidente municipal do partido, a ex-prefeita Aparecida Panisset nem do vice da legenda, o vereador Jorge Mariola. Ambos são pré-candidatos a prefeito pela sigla. 

“Ele tem o direito democrático de colocar o nome dele à disposição. Assim como alugar apartamento onde bem entender. Mas, o PDT tem que decidir isso. É preciso fazer uma convenção. O nosso partido tem nomes com mais identificação na cidade do que o do Brizola Neto. Soube por pessoas próximas à Panisset que ela não concordou com a vinda dele. Nega especulações de que ela teria trazido ele, assim como trouxe o Konder. 

O Brizola Neto é do Rio”, argumentou Mariola, que confirmou a intenção de Brizola Neto. 
O vereador falou ainda que Panisset ainda espera julgamento de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para recuperar a elegibilidade. Ela teve as contas de 2012 rejeitadas pela Câmara de Vereadores em 2014 e ficou inelegível. Desde então, recorre. Se ganhar, poderá disputar a Prefeitura, com apoio de Mariola. 

São ainda pré-candidatos a prefeito os vereadores Marlos Costa (PSB), Dejorge Patrício (PR) e Diego São Paio (PRP); além do secretário estadual de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida, José Luiz Nanci (PPS); Josemar Carvalho (PSOL) e o prefeito Neilton Mulim (PR), que tentará a reeleição. 

Procurado, Brizola Neto disse que veio organizar o partido e para disputar a prefeitura caso Aparecida Panisset não consiga resolver sua pendência eleitoral.

Fonte/texto: A tribuna RJ