A guerra contra o mosquito Aedes aegypti chegou as escolas em mais uma etapa do "São Gonçalo contra o Aedes". Na tarde desta terça-feira(16), militares da Marinha do Brasil, e as equipes das secretarias de Saúde e Educação estiveram reunidos no auditório da Escola Municipal Castelo Branco, no bairro Boaçu, com o objetivo de capacitar os diretores e funcionários das áreas administrativas de 105 unidades escolares da rede municipal de ensino. Os profissionais serão agentes multiplicadores no trabalho educativo de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, junto aos alunos neste início de ano letivo. 

"É o início de um novo ano e nossa luta tem sido conjunta. Vamos transformar dificuldades em diálogo. Estamos unindo esforços para combater esse mosquito e levar este conhecimento que estamos adquirindo aos alunos", conta a secretária de Educação, Vaneli Chaves. 

Cerca de 3,5 mil militares da Marinha do Brasil participam desde o último sábado (13), de uma operação em conjunto com a secretaria municipal de Saúde, para eliminar focos do mosquito em vinte bairros da cidade, entre eles Rocha, Colubandê, Gradim e Nova Cidade.

Segundo o comandante Carlos Alexandre Souza de Lima, o trabalho é um grande desafio para a corporação. 

"Estamos aqui para trazer conhecimento aos formadores da nossa sociedade. Em períodos de guerra não só os soldados a frente dos campos de batalha, é preciso um esforço de toda nação. Se não houver essa mobilização contra o Aedes nós não teremos sucesso na sua eliminação e perderemos de fato essa batalha", explica de Lima. 

Desde o inicio deste verão a cidade notificou 1.877 casos suspeitos de dengue, três vezes maior que o número de casos notificados no último verão. Já os casos confirmados de zika em gestantes, chegam a sete. A Ouvidoria da Saúde, que recebe denúncias de focos do mosquito, atende no número 3856-7759.

Fonte: Semsa
Autor: Marcelle Corrêa
Foto: Marcio Oliveira/Thiago Louza