Para o Vereador Marco Rodrigues (foto), o maior problema
de São Gonçalo atualmente é a gestão.

Foto via Youtube
Dando continuidade a série de entrevistas do blog A política RJ com os vereadores e personalidades políticas da cidade de São Gonçalo, o entrevistado desta vez é o 'Vereador matemático' da câmara de São Gonçalo, Marco Rodrigues, que, na entrevista, fez um balanço muito positivo do seu mandato, apresentou um pouco do quem vem feito na câmara e comentou também questões do governo municipal. Veja a bela entrevista cedida pelo edil ao nosso blog

A política RJ: Nestes quase 4 anos de mandato, quais ações e projetos você destaca? Qual balanço você apresenta?

Marco Rodrigues: Faço um balanço positivo. Entrei para política disposto a fazer a diferença, não quero ser mais um. Há uma mentalidade equivocada em São Gonçalo quanto à função do vereador. O legislador fiscaliza o executivo e elabora leis pertinentes para toda sociedade. Cumpro esse papel, por isso costumo dizer que sou um vereador de posição e não de oposição, exerço a função integralmente. Nos dois últimos anos, em decorrência da crise criada pelo governo municipal, dediquei especialmente meu mandato à fiscalização sobre a gestão. Há uma série de equívocos e irregularidades denunciados por mim, como no caso da merenda escolar e da questão do lixo.

O que você acredita que leva as pessoas a chama-lo de o 'vereador matemático' da câmara?

Sou formado em contabilidade, é natural que minha atuação parlamentar reflita essa característica. Meu perfil é esse mesmo, administrador, gestor, planejador e estratégico. A alcunha “Matemático” significa que a população reconhece meu perfil administrador, sou um vereador preocupado com a gestão e as finanças do município.  

Como você faz uma avaliação do governo municipal?

Péssimo, bastante ruim. Entenda, não tenho nada contra a pessoa do prefeito, mas o governo dele é decepcionante, frustrou todas as expectativas.

Como está o seu trabalho na câmara municipal, nas comissões?

Ótimo. Desempenho meu papel de legislador me posicionando diante da cada situação que se apresenta. Quando uma mensagem, por exemplo, é boa para São Gonçalo sou favorável, quando não é sou desfavorável. É como costumo dizer, sou vereador der posição, não faço oposição ao estilo quanto melhor pior. A população merece políticos responsáveis, sou vereador para isso, para dar minha contribuição por uma cidade melhor. Assim também procedo nas comissões, analiso as mensagens, emito os pareceres dentro dos prazos regimentais. As tramitações na Câmara acontecem normalmente.  


Neste ano teremos eleições municipais. Você vai apoiar algum candidato a prefeito?

Sim.

Você tentará a reeleição? 

Sim, sou pré-candidato. 

Por que acredita que tem chances de ser reeleito?

É como eu digo: mesmas atitudes mesmos resultados, novas atitudes novos resultados. Essa é a essência do meu mandato, entrei para política com uma proposta nova de atuação parlamentar. Há paradigmas enraizados no modo de fazer política, equívocos, eu me proponho a rompê-los com uma nova postura diante da relação executivo-legislativo e vereador-população. Todos que se candidatam têm chance, comigo não é diferente.

Qual é o maior problema de nossa cidade?

É como eu digo, o maior problema de São Gonçalo hoje é a gestão. A máquina pública está sendo muito mal administrada, como consequência temos um governo inerte aos problemas reais, que a cada dia se avolumam mais e mais. Em decorrência, todas as áreas são diretamente afetadas.

Como podemos resolvê-lo?

O problema das finanças municipais é na verdade uma crise anunciada. Quando começou a se aventar os sinais de crise eu me pronunciei publicamente sobre essa questão. O governo foi avisado, sugeri medidas preventivas nesse sentido, não me deram ouvidos. Não repactuaram nenhum contrato com os fornecedores. Não revisaram ou fizeram auditoria nos contratos. Não cortaram na própria carne para economizar os recursos públicos, ignoraram os alertas da oposição. A verdade é ímpar, o governo preferiu não fazer o dever de casa. Em suma, o resultado está aí, agora é tarde para remediar, o governo é obsoleto e a população vê tudo isso com muita indignação.    

Como estão os trabalhos do seu partido para este ano eleitoral?

Fluindo muito bem, excelente! O PSD está estruturado e organizado para disputar o pleito que se avizinha.  

Como você vê o cenário eleitoral deste ano?

Complicado, como todos os outros. Não há eleição fácil, cada qual apresenta um nível diferente de complexidade. Na conjuntura atual, com a rejeição do prefeito superando o impressionante índice de 80%, não creio na reeleição dele, a população está muito decepcionada com o governo municipal. Entendo haver espaço para uma ou mais candidaturas fortes, capazes de promover mudanças que atendam as expectativas da população. A política precisa ser renovada, há quadros políticos na cidade que atendem esse perfil de renovação tanto no executivo quanto no legislativo, que precisam se consolidar para ajudar a colocar São Gonçalo na rota do desenvolvimento.

O que você espera para este ano?

Muito trabalho no legislativo, sem dúvida. São Gonçalo co kmnta conosco, vereadores, para tirar nosso município dessa crise inventada por um governo que não soube zelar pelas finanças públicas. Manterei meu ritmo de trabalho intenso para que o povo de São Gonçalo volte a sorrir e sentir orgulho de aqui ter nas