Neilton Mulim vai tentar se reeleger em São Gonçalo.
Foto: Claudionei Abreu/ A política RJ
Os acontecimentos políticos nos últimos dez dias de março foram decisivos em Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, se filiou ao Partido Verde. As possíveis alianças entre partidos em São Gonçalo não aconteceram e, em Itaboraí, brigas internas no PMDB mudaram o comando do Diretório da cidade.

A mudança de Rodrigo Neves foi muito pensada e analisada por ele, que conversou com diversos partidos até tomar sua decisão pelo Partido Verde. “Neste ambiente de muita radicalização e desentendimento em Brasília, é mais do que necessário proteger este município, os cidadãos niteroienses. Niterói para mim é uma causa, como sempre digo, e por isso eu faço esta opção pelo PV, uma opção coerente com a minha história, com a minha trajetória e com os meus ideais”, anunciou Rodrigo Neves.

A mudança de partido não alterou o apoio que Rodrigo Neves tinha do PMDB. O presidente regional da legenda, Jorge Picciani, reforçou que a aliança com o prefeito continua. “Estamos com Rodrigo. Nosso apoio é dele, não importa para onde ele foi”, reafirmou Picciani.

Comte Bittencourt, presidente estadual do PPS, também confirmou a continuação do apoio dado ao governo de Rodrigo. “O prefeito de Niterói tem um modelo de gestão responsável, correto, que dá resultados e que age pelo povo. Foi uma boa escolha para ele e para a população da cidade. Essa mudança facilita alianças com o PPS.

Na última quarta-feira, em um jantar na cidade, lideranças do DEM anunciaram seu apoio à candidatura para reeleição do prefeito de Niterói.  Quem também mudou de legenda foi o ex-secretário Estadual de Saúde e pré-candidato à prefeitura de Niterói Felipe Peixoto, que deixou o PDT e se filiou ao PSB. A saída de Felipe Peixoto do PDT causou desconforto no partido e provocou a criação de uma Comissão Provisória para administrar o Diretório Municipal, que era presidido por Peixoto. “Eu tive que tomar uma decisão, uma das mais difíceis da minha vida, na  terça-feira (22/03). (sair do PDT)”, disse. Felipe citou a força política do senador Romário que, segundo ele, poderá “ajudar em sua jornada”.

Além de Rodrigo Neves e Felipe Peixoto, são pré-candidatos em Niterói Flávio Serafini (PSOL), Antônio Rayol (PSDB), Wolney Trindade (PR), José Seba (Rede), Rogério Aguiar (Dem) e Heitor Fernandes (PSTU).

Neilton Mulim (PR), Graça Matos (PMDB), Luiz Nanci (PPS) e Adolfo Konder (DEM) concorrem em São Gonçalo

São Gonçalo – O prefeito Neilton Mulim bateu o martelo e vai continuar no PR, partido pelo qual vai concorrer à reeleição. Com essa decisão, a expectativa é que o PMDB indique um pré-candidato à prefeitura. A ex-deputada estadual Graça Matos e o médico Fábio Farah podem disputar a candidatura no partido. Também são pré-candidatos: Luiz Nanci (PPS), Adolfo Konder (DEM), Dilson Drumond (PSDB), Marlos Costa (PSB), Dejorge Patrício (PRB), Professor Josemar (PSOL), Diego São Paio (Rede), a ex-prefeita Aparecida Panisset (PDT) e Dayse Oliveira (PSTU).

Itaboraí – O prefeito da cidade, Helil Cardozo, deixou a presidência do Diretório Municipal do PMDB na última semana. O Diretório Estadual está à frente do diretório até que um novo presidente seja eleito. Segundo o deputado federal Altineu Côrtes, é ele quem vai ocupar este cargo. Altineu e Helil estão travando uma briga interna na legenda, já que os dois pretendem disputar a prefeitura de Itaboraí e não entram em um consenso sobre o que pode ser feito. O presidente regional do partido, Jorge Picciani, contou que no momento não vai discutir essa questão.

Além de Altineu e Helil, o ex-prefeito Sergio Soares (PSDB), Alessandro Fricks (PTdoB), o vice-prefeito Audir Santana (PHS) e o deputado estadual Sadinoel Souza (PMB) pretendem disputar a prefeitura de Itaboraí.

Prazos do TSE – De acordo com a legislação aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 20 de julho, os partidos podem iniciar a realização dos eventos que podem definir quem será, de fato, o candidato a prefeito, vice-prefeito e vereador da legenda nas eleições de 2016.

Ainda de acordo com o calendário definido pelo TSE, 15 de agosto é a data limite para que o nome dos candidatos escolhidos pelos partidos sejam registrados pelas legendas e coligações. No dia seguinte (16/08), está autorizado o início da execução dos programas eleitorais gratuitos veiculados no rádio e nos canais de TV.

Fim do horário eleitoral - No dia 29 de setembro, exatamente dois dias antes das eleições, se encerra o prazo em que as propagandas partidárias dos candidatos podem ser exibidas nas rádios e nos canais de TV.

Fonte: O Fluminense