Varredores também solicitam melhores condições de trabalho
Foto: Página Gonçalense 
Profissionais que atuam na varrição da cidade protestaram na manhã de hoje (10), em frente a Prefeitura de São Gonçalo. Parando uma das faixas da  Rua Feliciano Sodré, reivindicaram o pagamento do salário, cartão alimentação e de passagem e denunciaram as péssimas condições de trabalho.

As reivindicações passaram a ser as mesmas todos os meses, segundo os trabalhadores que explicaram a luta mensal pelos direitos. Eles alegam que todos os meses precisam parar uma das principais ruas da cidade para cobrar o salário; o cartão alimentação de R$ 270 - valor abaixo da média que nunca é recebido de forma integral; cartão de passagem; cobrança das férias vencidas; contra cheque oficial; e novos uniformes e materiais para o trabalho.

"Mesmo sem receber estamos sendo obrigados a trabalhar, já que com uma falta recebemos uma suspensão de cinco dias. Não recebemos uniformes, botas e nem capas de chuva novas, está tudo velho e rasgado.  Quando reclamamos com a empresa, eles falam que a prefeitura tem uma dívida com eles de R$11 milhões. É sempre um jogo de empurra que nos obriga a fazer manifestação todo o mês para receber", declarou um funcionário que pediu para não ser identificado.

Dois representantes do grupo de varrição foram recebidos na Secretaria de Infraestrutura. Os trabalhadores informaram que foi definido na reunião que o pagamento mensal tem previsão de cair na conta dos funcionários até hoje no final do dia ou na próxima segunda-feira (13). Os funcionários comentaram que se o pagamento não for recebido até hoje, os mesmos não trabalharão amanhã.

Procurada, a Prefeitura informou que cobrou da empresa uma solução durante o encontro com os trabalhadores. Segundo a Prefeitura, a empresa ficou de depositar o salário de todos nesta sexta-feira.

Fonte/texto/fotos: Página Gonçalense