Presidente do PP, Alice Tamborindeguy, disse que as propostas do prefeito agradam a filosofia do PP
Foto: O São Gonçalo
O Partido Progressista (PP) formalizou, na noite da última segunda-feira, o apoio à reeleição do atual prefeito de São Gonçalo, Neilton Mulim (PR). Presidida pela ex-deputada estadual Alice Tamborindeguy, a executiva do partido ainda apresentou os 41 nomes de pré-candidatos a vereador.

Para Alice, entre todas as propostas ouvidas pelo PP, a de Neilton Mulim foi a que mais agradou a filosofia do partido. A presidente acredita que o atual prefeito ainda tem muito a fazer por São Gonçalo.

“Neilton foi um bom prefeito. Ele trabalhou muito pela saúde da cidade. Acho sim que ainda tem muita coisa a se fazer, mas ele tem capacidade para isso. Nós, do Partido Progressista, ouvimos os principais pré-candidatos ao Executivo e a proposta de Neilton foi a que mais se encaixou no nosso plano”, disse a presidente do partido durante a reunião. Com uma nova legislação regente para a campanha deste ano, Alice Tamborindeguy afirma que será uma eleição dura e difícil. “Será uma campanha completamente nova, com outras burocracias. São apenas 45 dias. Espero que ele chegue ao segundo turno e espero também fazer, no mínimo, dois vereadores pelo Partido Progressista. Vamos lutar para isso”, afirmou Alice.

Pré-candidato à reeleição, Neilton Mulim agradeceu o apoio do PP. De acordo com o atual prefeito, a tradição e pulverização do partido serão fundamentais para agregar valor durante o processo de campanha. “Acho que o apoio do PP é fundamental em vários sentidos. É um partido de uma tradição muito grande. É um partido que tem, especialmente em São Gonçalo, agregado pré-candidatos de valores e que tem uma organização muito grande. Com isso, a gente já soma 10 partidos e mais dois, que estão vindo, porém menores”, comentou Neilton.

Sobre a sua pré-candidatura à reeleição, Neilton Mulim tem boas expectativas, acredita que a quantidade de concorrentes engrandece a disputa e admite não ter medo da rejeição. “A expectativa é muito boa. Temos um número grande de candidatos na cidade e isso, de alguma forma, é interessante pra mim. Quando a gente fala em rejeição, a gente lembra quando eu ganhei a eleição. Eu tive 200 mil pessoas que não votaram em mim. No dia 1º de janeiro, quando você senta naquela cadeira, você já senta com rejeição. Ainda mais numa metrópole como São Gonçalo. Mas essa rejeição, a medida que a população fica mais informada, vai diminuindo gradativamente”, concluiu.

Fonte/texto: O São Gonçalo