Márcia Neves é candidata a vereadora em São Gonçali
A entrevistada desta vez é a candidata a vereador em São Gonçalo, Marcia das Neves Baptista, mais conhecida como tia Márcia da natação, de 52 anos. Moradora do Colubandê, ela é filiada a Rede Sustentabilidade e sua bandeira é a Ética e Gestão de Qualidade.


Conte um pouco para nós quem é você:
Meu nome é mulher, mãe, guerreira e cidadã. Nascida, sempre moradora e formada em São Gonçalo (nas áreas de humanas: Educação Física e Fisioterapia), desempenho, por mais de 25 anos, minhas atividades profissionais como educadora e técnica de natação utilizando o esporte como ferramenta de inclusão social e formando atletas. Como Fisioterapeuta, atuo na recuperação de problemas e doenças neurológicos e ortopédicas. Sou conhecida como Tia Marcia da Natação obtendo o reconhecimento de até 03 gerações (avós, pais e filhos moradores em inúmeros bairros de SG), através do resgate e melhor qualidade de vida, maior sociabilidade, maior disciplina e respeito ao próximo.

Com anos de dedicação à área social e com base no conceito do esporte educacional de desenvolvimento, participação e lazer, e de rendimento, realizo, dentre outras ações, a Ação Comunitária "Abrace um atleta" que surge com foco na relevância e importância de levar às crianças e jovens, em situação de vulnerabilidade social, atividades esportivas e sociais que mudam as suas vidas.

É desenvolvido um trabalho de cunho social, através da prática de natação e orientação familiar, com crianças e jovens de 08 a 17 anos, matriculados na rede pública de ensino (municipal e estadual) transformando horários ociosos em momentos de experiências positivas potencializando, desta forma, novos conhecimentos e a identificação de ferramentas que os ajudem a enfrentar e vencer as dificuldades da vida.

O objetivo é:
- RESGATAR VIDAS através do despertar da consciência do valor que o esporte exerce na formação do ser humano e no seu meio
- Descobrir e desenvolver o talento esportivo
- Identificar e promover novos potenciais do esporte no município de São Gonçalo.

Aproveite e conte um pouco da sua trajetória. Como e por que entrou na política?
Minha saudosa e guerreira Mãe criou, com todas as dificuldades imagináveis, 09 filhos sozinha. Através de muita luta e perseverança nos ensinou grandes e eternos valores:
- Ter Fé em Deus acima de qualquer coisa
- Ter respeito ao próximo
- Valorizar a educação e o trabalho ético
Hoje, eu e minha família, temos uma vida de muito trabalho e respeitabilidade.

Por que enttrou para a política?
. Por estar muito próxima de centenas de pessoas de diferentes classes sociais e ter o privilégio de poder ouvir os seus sonhos, suas angústias e dores, seus problemas
. Por estar inconformada com as condições de nossa população e com a atuação da classe política
. Por acreditar que reúno condições, vontade e energia para trabalhar, junto com a população, pelas mudanças necessárias à transformação de nosso Município, hoje sou candidata a vereadora pelo município de São Gonçalo

Abaixo, segue, na íntegra, um texto de “roberto pensador” que recebi uma vez de um amigo que expressa claramente o que entendo por política (transcrevo este texto por achar de extrema utilidade reflexiva):

Por que ingressar na política? 
É bem comum hoje em dia o argumento de que a política no Brasil, com raras exceções, se transformou num antro de corruptos da pior espécie. Os maus exemplos no ambiente político-partidário são numerosos, o que parece nos conduzir à aceitação de que o sistema está podre e há muito tempo já fede.

Quando olhamos para o Poder Executivo e Legislativo em todas as esferas, somos tomados de desconfiança estarrecedora. O quadro é tão desalentador que, diante do descaso com a população, a desonestidade e a roubalheira de tantos homens “públicos” – líderes de seus próprios interesses – ouvimos algumas pessoas externarem o desejo pela volta da ditadura, pois só assim seria restabelecida a ordem e a seriedade na instância pública. Tudo isso é muito triste e nos envergonha de fazermos parte de um país assim.

Como enfrentar, portanto, o desafio da moralização no campo político? Um caminho lógico consiste na entrada de mais homens íntegros para cultivar esse território repleto de pragas e ervas daninhas, uma tarefa nada fácil. A inserção de pessoas éticas possibilitaria, pela média, um processo de elevação da moralidade e responsabilidade no trato da coisa pública. Estaríamos, em tese, encurtando a longa distância que temos a percorrer no ideal Político da busca comum pelo bem comum.

Passaríamos cada vez mais a ser uma democracia efetivamente participativa ao invés de essencialmente representativa/delegatícia. Entretanto, existe uma ideia largamente difundida: se alguém é honesto e entra na política, esse alguém fatalmente terá de se corromper, pois do contrário ficará estéril nos resultados de sua militância política. De acordo com esse pensamento será que nos sobra alguma esperança de mudança no caos reinante?

Se a dimensão política é crucial para determinar o tipo sociedade em que se deseja viver, como abdicar de moldá-la segundo os ideais de justiça e solidariedade presentes no coração dos homens íntegros? Ora, se “não se colhem figos dos espinheiros, nem se tiram uvas dos abrolhos” (São Lucas 6:44), como podemos esperar por uma sociedade diferente da que temos agora se permanecermos enxertados numa classe política apodrecida? De duas, uma: ou desistimos de ter esperança por uma sociedade que ofereça dignidade a todos; ou acreditaremos que a sociedade almejada virá por obra de um milagre ou mesmo do acaso. Em ambos os casos a opção pela apatia é notória.

Onde estão os homens honestos e competentes, dispostos ao compromisso de mudanças estruturais que promovam a dignidade da pessoa humana e a construção de uma sociedade igualitária? Se uma sociedade diferente passa necessariamente por mudanças na qualidade de seus políticos, talvez muitos de nós tenhamos que ser enviados como ovelhas ao meio de lobos.”

Quais são suas experiências políticas?
Experiência de quem é uma cidadã. Desde que me entendo por gente, acompanho o cenário político de nosso País. Aprendi muito cedo que é através da política que conseguimos as necessárias transformações sociais pois é ela, a política, que determina como, quando e onde os recursos públicos (originários da contribuição do povo) serão distribuídos e aplicados. Contribuir para que as pessoas tenham consciência sobre o valor e a força que o povo tem, e mostrar que não precisamos de favorzinho e sim da garantia de nossos direitos, tem sido uma grande luta ao longo de minha vida.

Já concorreu em outras eleições?
Não. É a primeira vez que me candidato a um cargo político

Qual sua expectativa para as eleições deste ano?

Acredito em uma eleição de renovação e de mudanças totalitárias em nosso quadro político, a ser composto por pessoas novas e sem vícios políticos, honestas e competentes, com o compromisso de mudanças estruturais que promovam a dignidade da pessoa humana e a construção de uma sociedade mais igualitária

Se for eleita, quais projetos pretende defender no legislativo de São Gonçalo?

A principal função de uma Vereadora é defender e assegurar os direitos dos Cidadãos, através da elaboração de Projetos de Leis necessários e factíveis, e da fiscalização do Poder Executivo (Prefeito) objetivando garantir uma gestão de qualidade na aplicação dos recursos públicos Defendo as bandeiras da sociedade para todos:educação, saúde, segurança, transporte digno e com mobilidade urbana, meio ambiente, lazer, moradia, cultura, etc .. Defendo a ética pois sem ela não há qualquer bandeira que se sustente.

O seu partido tem um candidato a prefeito, o atual vereador Diego São Paio. Como e porque você acredita que ele tem chances de ser eleito?

Trata-se de uma pessoa ética, um administrador com larga experiência e graduação em gestão pública e que já conhece muito bem o funcionamento da máquina política e da prefeitura de São Gonçalo.
Acredito que o desejo de renovação vá conduzir este jovem político (sem amarras ou vícios políticos) a ser eleito no 1º turno. A população merece e anseia por novos caminhos e práticas políticas. Neste sentido, não vejo outro candidato que represente isto tão fortemente

Como vereador, com mandado até dezembro de 2016, ele foi recordista na elaboração e apresentação de Projetos de Leis dentro de nossa Câmara Municipal. Dentre inúmeros outros, destaco o Projeto de Lei que criou a TV Câmara de São Gonçalo. Nela, toda a população Gonçalense pode assistir o que cada um vereador, quando comparece e se pronuncia, faz com seu mandato. O que defende, como vota, etc..

Isto reflete o desejo e a prática de Diego São Paio pela transparência e ética no cumprimento de seu mandato. Mandato este, concedido pelo povo de nosso sofrido município (aproveite e acesse! É só digitar na internet tvcamarasaogoncalo)

Quantos votos você precisa para ser eleita?
Cerca de 2.000 votos. Mas isto não é tão simples assim. Temos que considerar o coeficiente de votação partidária, etc...

Com certeza todos já ouviram falar em casos de candidatos que tiveram 4.000 votos e não se elegeram e, na contramão de uma representatividade real da sociedade, de candidatos que tiveram cerca de 1.000 votos e conseguiram se eleger. As nossas regras eleitorais são extremamente complexas e viciadas.

Por isso, você que está lendo esta matéria, não vote em branco ou nulo. Faça valer a sua autoridade política através de seu voto. Procure, discuta, se informe e vote em candidatos sérios. Não vote só porque a pessoa é sua amiga, ou amigo do amigo, ou de sua rua, ou já te fez um favor. Vote em pessoas competentes, que tenham história de vida de transformação social e práticas coletivas de respeito ao próximo.

Para você, nas eleições os religiosos fazem a diferença?

Sim! A minha maior força como ser humano é a minha FÉ em DEUS (sou filha Dele e Ele é o meu Pai). Sem Ele não somos absolutamente nada! Acredito na FÉ em DEUS que é transformadora. Aquela que faz com que qualquer ser humano faça com os outros aquilo que gostaria que fizessem com ele mesmo. Sei que é difícil, mas não é impossível

A sua comunidade apoia sua candidatura a vereadora?

Sim e de uma forma emocionante! Foi a comunidade um dos instrumentos fundamentais para a minha candidatura. A minha Fé em Deus, a minha família e meus amigos, e a minha história de vida deram corpo a essa caminhada.

Como você avalia o governo do atual prefeito Neilton Mulim?

Acredito que a atual situação de nosso sofrido povo Gonçalense, em todas as áreas, reflete claramente a atuação de nosso atual governo.

Qual sua opinião sobre o trabalho que vem sendo feito pelo Legislativo de São Gonçalo?

É preciso renovar o nosso Legislativo e a prática política do mesmo

Você acredita que tem boas chances de ser eleita vereadora? Por que?

Sim! Minha campanha de vereadora é limpa e reconhecida pela comunidade. A minha história e prática de vida, de minha família e de meus amigos é muito respeitada em inúmeros bairros de São Gonçalo. As minhas propostas são sérias e voltadas para o povo de São Gonçalo e vem conscientizando muitos eleitores de que podemos começar o processo de mudança a favor do coletivo.

Chegando a câmara, como pretende atuar?

Ser vereadora é ser funcionária do povo. Serei representante do povo (de quem votou e não votou em mim). Logo, só posso atuar com a participação popular. Defendo um gabinete de portas abertas a população e com a atuação de lideranças em cada bairro que tragam ao meu gabinete as necessidades deste município. Temos que acabar de uma vez por todas com essa história de que a vereadora representa um bairro ou outro. O papel de uma vereadora é representar todo o município.

Não basta a vereadora ficar no gabinete com seus assessores e encaminhar as necessidades identificadas, que sabemos serem muitas. Ela tem que trabalhar e lutar por isso em conjunto com a população.

Falamos o tempo todo nessa reportagem sobre mudanças, gestão ética e competente. Infelizmente isso não acontece no estalar de dedos e sim através de um processo a ser construído. E como ficam as necessidades emergenciais? Conheço um bairro onde um antigo rio (hoje um largo canal de esgoto e resíduos sólidos), em dia de sol, quase transborda e quando chove .... Não precisa dizer o que acontece! O que fazer?

Deveríamos saber que uma vereadora não calça ruas, não ilumina postes, não draga rios mas ela tem o dever de lutar, solicitar, defender uma solução imediata do poder executivo. E se a solicitação não for atendida? O que fazer? Denunciar, acionar as lideranças do bairro, reunir a população e construir uma solução conjunta. A pressão popular é a nossa grande arma!

Para você, qual é o maior problema de São Gonçalo atualmente?

A falta de uma administração ética e de qualidade que trabalhe com e para o povo Gonçalense

Além da sua família, a comunidade, você conta com apoio de algum político da nossa região para apoiar sua campanha?

Sim! O atual vereador e candidato a Prefeito Diego São Paio

Para finalizar nossa entrevista, deixe suas considerações finais e uma mensagem á população de São Gonçalo e nossos leitores em geral.
De novo, quero deixar uma reflexão: Vamos imaginar que a população de São Gonçalo seja uma empresa coletiva e de vital importância para atingir o bem comum. Para produzir, essa empresa precisa de funcionários, pessoas éticas e competentes para fazer o negócio da empresa prosperar. O dono da empresa São Gonçalo, que é o povo, precisa avaliar cada currículo apresentado. O povo irá contratar esses funcionários que são os políticos e a contratação se dá através do voto, certo? Após a contratação, a empresa começa a funcionar, mas a prosperidade e os resultados coletivos esperados não acontecem e, ao contrário, a empresa está à beira da falência.

O que fazer? Como identificar o que está acontecendo? Se fosse uma conversa eu esperaria você responder. Como não é, vamos lá ao que penso: Preliminarmente, os donos dessa empresa só saberão o que está acontecendo se acompanharem e fiscalizarem o trabalho dos funcionários contratados (os políticos). Eles estão fazendo, de forma correta, aquilo para que foram contratados por 04 anos??
Eles enganaram quando apresentaram os respectivos currículos e não são competentes e honestos para a função contratada?? O dono da empresa errou quando da contratação?? Falta treinamento??
É necessária a reformulação da proposta inicial??

Bem, inúmeras medidas administrativas podem ser adotadas e uma delas é a DEMISSÃO do funcionário mas lembrem-se que, a princípio, O POVO SÓ PEDERÁ DEMITI-LO APÓS QUATRO ANOS e para tal, repito, é necessário ACOMPANHAR e FISCALIZAR o trabalho QUE ELE REALIZOU Espero que essa reflexão nos ajude na hora de exercer o nosso grande poder de transformação, O NOSSO VOTO!

Gostaria de terminar essa entrevista com um pensamento que diz muito sobre quem eu sou e o que quero, VAMOS JUNTO, NÓS PODEMOS! “O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons” (Martin Luther King)