Foto: Divulgação
Membros dos diretórios do Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido Comunista do Brasil (PC do B) defendem, em São Gonçalo, o voto nulo no segundo turno das eleições, que tem como opção José Luiz Nanci (PPS) e Dejorge Patrício (PRB). Ambos os partidos coligaram, no primeiro turno, com o PDT, lançando a candidatura de Brizola Neto no primeiro turno, que obteve quase 50 mil votos. A ideia dos partidos era fazer um bloco de esquerda para ganhar as eleições.

Agora, no segundo turno, os partidos defendem o voto nulo. De acordo com o professor de história e sociologia da rede Estadual, militante partidário e membro do PT de São Gonçalo, Marcelo Saraiva, explica o que leva os partidos a defenderem o voto nulo na cidade.

"Não faço política com uma visão paroquial e, sim, nacional. Os partidos que foram ao segundo turno pertencem a partidos que afastaram a presidente Dilma através de um golpe parlamentar. Há também uma orientação da Executiva Nacional do PT, partido o qual sou membro da direção em São Gonçalo, que só podemos apoiar os seguintes partidos em segundo turno: PCdoB, PSOL, PDT e REDE, que foram partidos que somaram conosco contra o golpe. Na questão local há outros ingredientes", diz o professor, que completa. 

Marcelo também afirma que os dois candidatos não representam as mudanças que a cidade precisa.

"O Nanci é defensor dos negócios privados da saúde e o Dejorge representa o fundamentalismo religioso. Os dois não representaram mudanças que a cidade precisa", explica Marcelo.