Foto: Reynado Felix
Com apoio de especialistas da UFRJ, projeto-piloto no Jardim de Infância Municipal Menino Jesus, no Boaçu, mapeou quadro de saúde bucal e mental dos alunos.

Mais de 200 alunos do Jardim de Infância Municipal Menino Jesus, no Boaçu, participaram da primeira ação do Programa Saúde na Escola, nesta quinta-feira (16). Executado por meio de parceria entre as secretarias de Educação (Semed) e de Saúde, o projeto piloto conta com especialistas em Saúde Coletiva e da Família da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), referência nacional no ramo.

“O primeiro passo é mapear as doenças mais comuns entre as crianças. Sabemos que a cárie, por exemplo, tem relação com os índices de perda de rendimento e evasão escolar. A identificação do nosso cenário vai permitir a formulação de políticas que garantam mais qualidade de vida aos alunos. E isso é possível graças à atuação em conjunto da Educação e da Saúde”, afirmou o Dr. Lecine Borzino, idealizador do Programa de Saúde Escolar da Semed.

As equipes promoveram palestras interativas sobre higiene bucal e distribuíram kits de escovação. Durante a avaliação individual, os profissionais questionaram os hábitos das crianças e coletaram amostras de saliva, que serão analisadas em laboratório na UFRJ.

A professora da UFRJ e cariologista Sonia Groisman, explicou que a atenção à saúde bucal é fundamental já na primeira infância, pois é quando o tipo mais precoce da doença se expressa, a cárie rampante. Com mais de 30 anos de experiência na área e premiações internacionais, Sonia reforçou a importância de integrar professores e familiares nessa força tarefa.

“Os professores são agentes essenciais desse trabalho, pois são replicadores. Na segunda etapa do projeto, vamos compartilhar conhecimento, analisando a cartilha sobre saúde do bebê e da criança que entregamos hoje. O próximo passo também vai abranger um levantamento sobre o perfil das famílias, detectando se já tiveram cárie, como é a alimentação”, destacou Groisman.

O subsecretário de Odontologia, Fernando Fadel, enfatizou o empenho do governo em recuperar os Postos de Saúde da Família (PSFs), onde os alunos diagnosticados receberão acompanhamento médico.

“Conseguimos reativar três PSFs nos dois primeiros meses de gestão e teremos mais oito até o final de março. A saúde bucal é uma prioridade não apenas em infraestrutura, mas também na conscientização sobre a saúde bucal, geralmente vista como pouco urgente ou menos importante pela população”, pontuou Fadel.

Os responsáveis dos alunos contribuíram com o mapeamento de saúde mental por meio de entrevista acerca das habilidades sociais do aluno, como amarrar o cadarço, fazer amigos, expressar opiniões. Segundo a psiquiatra Erika Thelm, médica na rede municipal, os dados colaboram para a identificação das crianças que podem aprimorar ou aprender as habilidades a partir de atividades lúdicas na própria escola, e aquelas que precisarão de acompanhamento médico.

Creches recebem kits e capacitação sobre suplementação alimentar

Gestores de dez creches receberam treinamento para implementar a Estratégia de Fortificação da Alimentação Infantil Com Micronutrientes em Pó (NutriSUS), um programa do governo federal que busca contribuir com o desenvolvimento da criança por meio da prevenção de doenças nutricionais.

Rico em ferro, zinco e vitaminas, o suplemento é adicionado à refeição escolar de alunos de seis meses até quatro anos de idade, faixa etária mais vulnerável à incidência de anemia, doença que afeta uma a cada cinco crianças brasileiras, segundo o Ministério da Saúde.  A atividade foi realizada no Colégio Municipal Castelo Branco pela equipe NutriSUS, coordenada pela especialista Márcia Prata.