Foto: A política RJ
A medida provisória nº 01/2017, publicada no Diário Oficial do município de São Gonçalo no dia 15 de setembro prevê que, a partir de agora, o Diário Oficial do município será eletrônico, tornando o DOE - Diário Oficial Eletrônico, como muitas cidades já adotam.

A medida é louvável por dois motivos. O primeiro é que isso representa uma economia milionária para o município. Em 2015, a fundação universo, responsável pela edição do jornal, recebeu o repasse total de R$2.161.942,76 (dois milhões, cento e noventa e um mil reais, novecentos e quarenta e dois reais e setenta e seis centavos) para publicação dos atos oficias. Em 2015, o valor foi de R$902.393,25 e em 2016, até o momento, R$400.595,61. Os dados são do Portal da Transparência do município.

No ano passado, o blog A política RJ já havia questionado o valor exorbitante pago pela prefeitura ao principal jornal da cidade.

Outro ponto positivo é que o principal jornal impresso da cidade agora não tem mais vinculo financeiro com o poder público local, o que permite que o jornal emita a verdade sobre o governo municipal. Fato que já está comprovado. O jornal agora deixa de exibir suas manchetes criminais para denunciar o genro do prefeito, que segue nomeado custando mais de R$30 mil reais por mês aos cofres do município e a falta de coleta de lixo no município, que está emporcalhando as ruas da cidade.

Joaquim de Oliveira, que é secretário municipal de São Gonçalo há mais de 20 anos, passando intacto pelos últimos governos, é marido de Marlene Salgado, dona da fundação universo e do jornal O São Gonçalo. Esse é o vinculo político da família Salgado com o poder público local, o último que deve ser quebrado pela gestão do prefeito Nanci. Enquanto isso, São Gonçalo carece de meios de lazer e investimentos e áreas de esportes para os jovens.

Como é uma medida provisória, tem data para acabar. Tramita na Câmara Municipal projeto para transformar em definitiva a proposta.

TRANSPARÊNCIA
De acordo com a mensagem enviada pelo poder executivo à câmara municipal, medidas como licitações e de grande importância deverão ser publicadas em jornais de grande veiculação, respeitando a lei de transparência.