Ricardo Pericar / Foto: O São Gonçalo
Ex-vereador, atual vice-prefeito de São Gonçalo e candidato a deputado federal, Ricardo Pericar, candidato pelo PSL, falou sobre suas propostas caso seja eleito, em entrevista ao editor do blog A política RJ, Claudionei Abreu. Confira:

Como começou sua carreira política?

Comecei ajudar alguns políticos do bairro no intuito de ter uma proximidade e buscar soluções. Os candidatos ganhavam e depois já não estavam mais morando na mesma casa e já tinham trocado de esposa. Eu fiquei tão chateado que eu falei "vou vir candidato só para atrapalhar", e nesse vir para atrapalhar eu vi que tinha vereador com menos voto que eu eleito, então busquei saber mais para ter um chance. E desde que fui eleito busquei representar as pessoas e fazer aquilo que era possível.

Como o senhor acredita que pode representar a cidade em Brasília?

Se você perguntar o legado de algum deputado federal de São Gonçalo, não tem. Não contribuíram para a cidade. Os candidatos que ganharam aqui levaram o dinheiro [de verbas] para outras cidades. Quero entrar para fazer a diferença na esfera federal, discutindo as leis que estão muito ultrapassadas, principalmente na área da segurança pública.

Qual a sua opinião sobre os privilégios que os deputados têm, além do salário? O senhor pretende abrir mão de algum benefício?

Esse dinheiro, que parece muito, depois vira nada. A minha visão, hoje, é um pouco diferente. Se um político tem aquele dinheiro e usa aquele dinheiro para defender a população, evitando principalmente a corrupção, aquele dinheiro passa a ser rentável. Eu denunciei diversos casos em São Gonçalo enquanto vereador, então, quanto de dinheiro eu não economizei? Esse alto salário passa a ser necessário para que você faça esse trabalho.

O senhor tem alguma bandeira, caso seja eleito?

Vamos querer desvendar a caixa preta de Furnas, porque não pode o país que é o maior potencial hidrelétrico do mundo, pagar a conta de luz mais cara do mundo. Ainda pior que a corrupção na Petrobras é a corrupção em Furnas. O [Juíz Sérgio] Moro não alcançou isso porque não foi levado até ele. Mas, quem sabe, o novo presidente possa fazer isso independente da justiça.

Qual é o seu candidato a presidente da república?

Eu decidi pelo Bolsonaro por entender que hoje é o único candidato que não está envolvido na corrupção. Tudo que se possa pensar de dentro de ruim do país se chama corrupção. Nós temos que atacar a corrupção e o único que tem condições de fazer isso é o Bolsonaro. O resto está envolvido.

PINGA FOGO - São apresentados diversos temas onde o candidato diz SIM, caso seja a favor, e NÃO, caso seja contra, com pequenos comentários.

Reforma da Previdência - SIM, mas não dá forma que está sendo proposta pelo atual governo.
Foro Privilegiado - NÃO, pois não há necessidade.
Reforma Trabalhista - SIM
Casamento entre pessoas do mesmo sexo - SIM, não vejo problema em duas pessoas que querem se relacionar, não importa o sexo.
Legalização do aborto - NÃO, mas acredito que, como estou representando uma parcela da população, estudaria a questão. Em particular, sou totalmente contra.
Desarmamento - NÃO, o desarmamento é o grande causador desse crescimento de furtos nas ruas.
Reforma do ensino médio - SIM, o jovem perde muito tempo estudando coisas que ele não vai usar, por isso que o Americano sai na frente.
Intervenção Federal - SIM, não tínhamos outra opção. Porém, tem que ser precedida de outros artefatos e leis para que o serviço possa ser feito.
Privatizações - SIM, o presidente já tem muitas atribuições. Mas é conta privatizações na esfera municipal.
Teto do Funcionalismo - SIM. Tem que estar em acordo com a iniciativa privada.

Porque o gonçalense deve votar em Ricardo Pericar?

Temos feito um bom trabalho como vereador de três mandatos, sem perder uma eleição, denunciando os casos de corrupção... Posso dizer que fui o vereador que mais denunciou a corrupção no município de São Gonçalo, efetivamente. Por isso, tivemos o privilégio de ser escolhido pelo Bolsonaro para representar a cidade. Hoje, é o partido mais fácil para se eleger e que qualquer candidato de São Gonçalo gostaria de estar, pois tem menos votos para entrar na câmara federal, mas para ter ingresso ali tem que ter um passado diferenciado e uma conduta de defender o patrimônio público, e essa é a minha conduta até hoje.