Foto: O Globo
Com informações de O DIA
O governador do Rio, Wilson Witzel, aproveitou o momento de pandemia vivido no Brasil e no mundo para enviar à Assembleia Legislativa uma mensagem para retomar o Programa Estadual de Desestatização, criado em 1995 por iniciativa do ex-governador Marcelo Allencar.

Pelo projeto de lei de Witzel, podem ser alcançadas pelo programa de privatização as sociedades de economia mista (como a Cedae), empresas públicas, fundações e até as universidades públicas fluminenses (Uerj, Uezo e Uenf).

Na proposta, Wilson afirma que a crise já existente foi agravada pela situação da pandemia, e afirma que, ao aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, o governo já previa a desestatização de empresas. A proposta ainda prevê a revogação de dois dispositivos dessa lei de 2018: o que proíbe a extinção de universidades públicas estaduais, as sociedades de economia mista e todas as empresas públicas do estado, e o que impede o fim da Fundação Leão XIII, Fundação Para a Infância e Adolescência (FIA), Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do RJ (Faperj) e Fundação Centro de Ciências e de Educação Superior a Distância do Estado do RJ (Cecierj) e outras.

Segundo ele, a medida é para atender "às necessárias medidas gerenciais que objetivam otimizar os escassos recursos públicos para atividades que, de fato, resultem em impacto na vida do cidadão".