Foto: Claudionei Abreu/A política RJ
A prefeitura municipal de São Gonçalo está cheia de pessoas ligadas à família do prefeito José Luiz Nanci. Mais uma vez o blog A política RJ noticia isso. Desde que assumiu o governo, o prefeito levou consigo diversos parentes para o executivo da cidade nas mais diversas áreas: gabinete, saúde, meio ambiente e urbanismo.

A integrante mais famosa da família a participar do governo do prefeito é a própria esposa, Eliane Gabriel Nanci, e também é a que tem mais influência no governo entre os familiares. Apesar disso, Eliane não é a única secretária do governo que pertence à família Nanci.

O secretário municipal de meio ambiente de São Gonçalo é sobrinho do prefeito José Luiz Nanci. Apesar de ser nomeado para comandar uma secretaria só em abril desse ano, Thiago Gonçalves Pereira já é nomeado na prefeitura desde 2017, quando o tio Nanci assumiu a prefeitura, exercendo cargos de coordenação e como subsecretário, com salário que chega a R$11.500,00.

Além de Thiago, outros sobrinhos do prefeito estão no executivo. Livia Gonçalves Pereira é irmã do secretário Thiago e também sobrinha do prefeito. Atualmente é chefe de setor na Secretaria de Saúde da cidade. Erica Gonçalves Pereira, outra sobrinha do prefeito, foi subdiretora de departamento da secretaria de saúde e defesa civil até 2018.

Sebastião Victor, mais conhecido como Tião Nanci, é outro sobrinho do prefeito que esteve nomeado na prefeitura. Tião foi subsecretário municipal de urbanismo até 31 de março e tinha salário de R$9.200,00 reais. Rebeca Viana Nanci também é sobrinha do prefeito e assessora especial do gabinete do prefeito, com salário superior a R$9 mil reais, e está no governo desde 2017.

Além disso, a presidente da Fundação de Assistência à Saúde dos Servidores de São Gonçalo (Funasg), Claudia Taroqueulla, é mãe do genro do prefeito, Rômulo Tarouquella, que também chegou a fazer parte do secretariado no início do governo.

Em 2018, o blog A política RJ publicou uma matéria falando sobre a grande família Nanci no comando da prefeitura de São Gonçalo. Os custos da família aos cofres públicos passam de R$1 milhão de reais.

O entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) é de que somente as nomeações de parentes de primeiro grau para cargos em comissão são consideradas nepotismo. A corte também entende que os cargos que compõem a estrutura do Poder Executivo são de livre nomeação e exoneração pelo Chefe desse Poder. Assim, não há ilegalidade na nomeação da esposa e do sobrinho para o cargo de secretário municipal.

Levando isso em conta, a prefeitura de São Gonçalo enviou ao blog A política RJ a seguinte nota:

"Não existem parentes na atual administração pública vedados pela determinação da súmula vinculante 13 do STF, que proíbe parentes até 3 grau.

A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal."

GENRO, PRIMOS E SOBRINHOS: OS FAMILIARES QUE ESTIVERAM NA PREFEITURA DESDE 2017